domingo, 18 de dezembro de 2011

Incógnita da natureza

Desejo tocar a epiderme nua do vento
E me deliciar no sabor insolúvel da brisa
Sentir a tez macia d’alvorada
Que goteja pedacinhos de mel
Na folhagem virgem da manhã!

Quero saber a sensação do vazio
E me sentir cheia do tudo-nada
Que nasce no escuro do alvorecer

Almejo encontrar a nota do canto do sabiá
E buscar a resposta para o rouxinol
Que embebeda de beleza cada manhã

Mas a sabedoria nua da natureza
É tão misteriosa como a madrugada que se foi
E o que nela menos se apresenta
É o que mais se esconde

Por quê? Pra que? Pra onde?
Ninguém responde...

3 comentários:

Anônimo disse...

Que delícia lê-la, moça!
Encantada com teus textos - sempre mais belos - intensos.

[Clauzie]

Maria Muadiê disse...

Adorei te conhecer hoje e ser você a pessoa que vai me ajudar na caminhada.
Bonito seu blog, voltarei mais vezes para ler mais poesia.

um beijo,
Martha

Claudia Martins disse...

Parabéns pela brilhante iniciativa deste blog ! Adorei !
Convido-lhe e a seus ilustres visitantes para nos visitar e nos seguir nos blogs abaixo:
http://serravallenaafricadosul.blogspot.com.br/
http://loucosportecnologias.blogspot.com.br/