quarta-feira, 14 de abril de 2010

Ressurreição

Anoiteci em plena solidão
Perdi minha paz e minha razão.
Chorei lágrimas de sangue.
Trovejei seu nome com um grito de pavor.
Afundei-me num abismo imenso.
Derramei minhas dores no escuro do silêncio.
Naquela noite, morri porque te conheci.

Amanhecia em completo desespero.
Por que fostes embora assim?
Desejava não ter nascido.
Muito menos ter te conhecido.

Mas algo me ressuscitou.
A vida reclamava minha presença.
Não podia viver de ausência.
Tinha de sobreviver.

Levanto-me da cama.
Olho meu rosto no espelho.
Lavo minha pele do seu cheiro.
Lavo minha vida da sua.
E volto a viver.