quinta-feira, 25 de junho de 2009

A matemática do amor

O que sinto por você

É mesmo uma incógnita

Um número complexo

Sem resolução.

Não sei explicar aquele x

Que me liga até você

Só sei que seu x me encontrou

E a função se formou.

Não é PA e nem PG

Mas cresce infinitamente

Você é o logaritmando

Que confundiu a minha mente

O triângulo da fórmula de Báscara

A raiz quadrada do meu coração

Com você não há número negativo

Muito menos um zero á esquerda

Pois te amo tanto quanto

O conjunto dos números naturais

E te amarei até

Ainda não descobri

A equação do nosso amor

Só sei que você encontrou

A equação do meu coração

E a potencializou mil vezes ao cubo

Subtraiu minhas dores

E dividiu comigo suas alegrias

Multiplicando minhas sensações

E tudo que há de bom em mim

É numericamente impossível retratar

Algoritmos não seriam o bastante

Para descrever o que sinto

Por isso, apenas digo:

“Eu te amo!”

terça-feira, 16 de junho de 2009

Engarrafamento

Presa no trânsito

O tempo que passa

E eu que não saio

Dessa desgraça!

Aperto, calor

Que horror esse odor!

A vida lá fora

Eu aqui a essa hora

Preciso de ar

Preciso respirar

Mas, como? Não dá

E eu aqui a esperar...

Barulho, zumbido

Ao lado, um gemido

O ranger do motor

Arrasta motô!

Na cara o tédio

Mas, não há remédio

Só resta esperar

Mas, vou agüentar?

Quando irei chegar?

Não dá pra suportar...