quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ébano

Lá vem o rei a passear na rua...

Cabelos curtinhos, ondulados
Traços definidos e honrosos
Lábios grossos, carnudos

Pele cor da noite, olhos de trovão
Peitoral definido, desenhado a mão
Pernas fortes, fincadas ao chão

Quem irá dizer que não és o mais belo?
Quem negará que és objeto de muito anelo?
Quem dirá que não és tu que eu quero?

Só se for o invejoso ou de visão turva
Não olha em volta, outra postura
Só vê o molde da outra cultura

Não vê que és belo, pujante
Dentre todos és elegante
Atraente, eterno amante.

domingo, 2 de novembro de 2008

Sozinhas




Pessoas nas ruas
Andando apressadas
Correndo cansadas
Da lida da vida
Semblantes surrados
Caras vazias
Mas cheias de medo e de dor
Não se olham mais
Não mais se cumprimentam
Objetivos perseguem
Seu rumo as preocupa
Mas, somente o seu
Se lhes pedem afago

Se lhes reclamam atenção
São ocupadas demais
Para tal fútil distração
Somos todos egoístas
Só meu ego
É o que importa
E, no final,
Quando ficam sozinhas
Ainda se perguntam: "por quê?"