segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Saudade I

Por que sinto este aperto

Este nó na garganta?

Porque revira meu estômago

E a respiração me falha?

Por que minha saliva se resseca

E meu coração palpita?

É a distância de meu amante,

A saudade de meu trovador

Quando sinto sua ausência

E penso no seu amor

Quase que desfaleço

Meu remédio é teu calor

Não te esqueço um só momento

Tortura-me este sentimento

Todo dia morro de banzo

E ressucito ao vê-lo

Como um passarinho engaiolado

Meu coração está preso a você

Porém, tal liberdade

Eu nunca quero ter.


quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ébano

Lá vem o rei a passear na rua...

Cabelos curtinhos, ondulados
Traços definidos e honrosos
Lábios grossos, carnudos

Pele cor da noite, olhos de trovão
Peitoral definido, desenhado a mão
Pernas fortes, fincadas ao chão

Quem irá dizer que não és o mais belo?
Quem negará que és objeto de muito anelo?
Quem dirá que não és tu que eu quero?

Só se for o invejoso ou de visão turva
Não olha em volta, outra postura
Só vê o molde da outra cultura

Não vê que és belo, pujante
Dentre todos és elegante
Atraente, eterno amante.

domingo, 2 de novembro de 2008

Sozinhas




Pessoas nas ruas
Andando apressadas
Correndo cansadas
Da lida da vida
Semblantes surrados
Caras vazias
Mas cheias de medo e de dor
Não se olham mais
Não mais se cumprimentam
Objetivos perseguem
Seu rumo as preocupa
Mas, somente o seu
Se lhes pedem afago

Se lhes reclamam atenção
São ocupadas demais
Para tal fútil distração
Somos todos egoístas
Só meu ego
É o que importa
E, no final,
Quando ficam sozinhas
Ainda se perguntam: "por quê?"


sábado, 18 de outubro de 2008

“Lacrima”

Lágrima

Mágoa contida que se desfaz em pranto


Lágrima

Dor absurda que deságua e sara


Lágrima

Desabafo liberado inexplicavelmente


Lágrima

Terapia de relaxamento em momentos angustiantes


Chorar, enxaguar o olhar

Angústia expurgar

O dano de mim se irá

Depois de tanto derramar

De muito olhar sangrar

O fragoroso espezinhar

irá me abandonar...


terça-feira, 14 de outubro de 2008

Correria


Vaga vida
Vida oca
Rápida passagem
Correria confusa
Acorda, corre, sai, trabalha
Corre, estuda, corre, morre
Descansa, dorme
Vai-se embora
A vaga vida
A vida oca.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Escrever...


O objetivo deste blog é divulgar um pouco do que amo fazer... escrever! A escrita para mim é a mãe das Artes e é por meio da poesia que eu expresso meus sentimentos, minhas humildes reflexões. Escrevo não para mim, mas para o mundo, para pessoas que como eu, sofrem e choram com esse cotidiano tão cruel que nos cerca, mas nunca perdem a esperança da melhora dos dias...

Como disse Machado de Assis:


“o que se exige do escritor antes de tudo, é certo sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda que trate de assuntos remotos no tempo e no espaço”.


Tentarei neste blog ser uma ‘mulher do meu tempo e do meu país’, registrando as Reflexões e Liridades de um cotidiano.

Sinta-se a vontade e deleite-se....

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Morena Flor




Me sinto uma rosa, desabrochando, descobrindo a vida! Cada pequeno passo é uma pétala que cresce, que aparece curiosa e bela, procurando um lugar no jardim deste mundo! Tenho muitos espinhos, como todos, mas sou feliz, e digo, sou bela, sou rosa vermelha!